sábado, 27 de novembro de 2010

O esquecimento de nossas vidas passadas.




Nas filosofias espiritualistas sabem-se que esquecemos de nossas vidas passadas, não raro os não versados no espiritualismo se perguntam por que esquecemos de nossas encarnações pretéritas.
A explicação mais comum parte da necessidade que temos de esquecer do fomos outrora, visto que a lembrança do que fomos pode nos comprometer nas metas que temos na atual encarnação. Saber, por exemplo, que fomos assassinos de entes queridos na atualidade seria um desconforto incômodo e dificilmente conviveríamos com esse fato.
Há também um problema de ordem "científica", um espírito na carne tem o campo do passado limitado ao necessário para sua evolução. Sobre isso, leiam abaixo um trecho de Jorge Andréa:
"O mergulho na carne, mesmo de espíritos mais evoluídos, constituiria sempre uma limitação, onde determinados setores da zona consciente seriam sempre fustigados pelas tendências mais íntimas da energética espiritual, como necessidades construtivas pela experiência, trabalho ou dor, far-se-ia sempre com desconhecimento real dos fatos pregressos. Esse desconhecimento se daria pela existência dos véus ou envoltórios, em que as energias do psiquismo profundo vão esbarrando ao atravessarem, antes de chegar ao corpo físico, as diversas dimensões que constituem a proporção intermediária - o psicossoma o perispírito." (ANDRÉA, Jorge. Palingêneses, a grande lei. 4ed. Petrópolis: F.V. Lorenz, 1990. p. 125.)

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...